sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Até agora eu: fui feliz por um tempo em uma cidade de proporções que eu não imaginava, não imagino e não sei se imaginarei, ela pulsa e mesmo de longe parece viva, me chama e quando a visto ela me faz muito bem. Quando se é pequeno tudo é grande, eu e mudei para um cidade que deve ser do tamanho do meu ex bairro, por isso não senti a diferença, a cidade continuava a ser monstro, não era viva, mas um monstro enorme pra mim. E tudo era longe. Mas hoje tudo é relativamente perto, pequeno e desconfortante, a cidade parece que dorme ou jaz aqui, isso pode acontecer com elas, mas eu vivo, e cresço... Eu conheci várias pessoas, detestei várias pessoas e amei várias pessoas, quanto mais se cresce mais se percebe como o que você viveu ontem pode ser pequeno em relação ao hoje... Eu fiz várias coisas e aprendi várias coisas fazendo essas várias coisas, eu comi várias coisas e recomi, vesti e revesti, assisti e reassisti, amei e reamei, odiei e reodiei, descobri que ás vezes é preciso morrer pra nascer mais forte, então morri e remorri, e que também é preciso amar o que se odiava e vice-versa.

Conheci pessoas, fiz delas minhas amigas, e achei que gostava delas, bem, desde o ínicio, vejo agora, que nunca gostei. Amei pessoas e amei mesmo, sem arrependimento ou concisão, construí belas paixões e com algumas delas até um belo momento que parece ter durado uma vida. Pois uma vida é algo bom que você sabe que pode acabar, que você pode acabar, mas não tem nunca essa pretensão muito fortemente. Mas a vida acabou e só hoje eu jogo fora os pedaços dela. Daí você vai e encontra outro jeito de viver. Fui abandonado, fui readmitido, achei uma nova pessoa pra construir uma vida ainda maior. Planejei tudo como alguém que monta um complexo dominó, eu sabia que ia dar certo. Mesmo que termine sua obra nunca deixe de construir nela sempre, ela pode ir desmoronando e se acabar por ela mesma, ou... alguém pode fazer isso por você, então, o que você levou meses, dias, horas de esforço, alguém vem e derruba com alguns minutos. E te faz passar raiva, solidão, tristeza, saudade, e logo se matar de sentimentos depreciativos, você vai e morre de novo, tudo isso foi péssimo e te deixou mais forte, faz o que tem que ser feito, deixa tudo pra trás. Conheci músicas, cidades vizinhas, lugares bonitinhos, a desnecessidade de um ídolo, de uma sexualidade, de um freio qualquer. Ganhei então um gosto visual, um gosto estético pra mim, uma subcultura e um gosto musical e literário. Aprendi o preço das coisas. Fiz coisas inesquecíveis, divertidas, chorei e acabei com o dia da pessoa que era minha vida, acabei com a pessoa da minha vida. Fui feliz, fui triste, fui inxado de tanto chorar. Encontro o que eu realmente preciso em outra pessoa, tenho um sentimento ímpar por ela, sofremos, choramos, vivemos ainda que longe estamos muito perto. E de quebra uma pessoa que não significava muito pra mim consegue se tornar uma das pessoas que eu mais amo, uma das minha únicas ligações com o mundo que eu abandonei e uma fonte de divertimento e chateação infindável. Podia eu estar agora no meu conceito atual de total niilismo. Como esta mais alguma? Sim, por onde andei arranjei outras, pra brigar, rir, inventar moda, ver meninas insosas, pra não dizer horríveis, pedirem pra ficar comigo e comer torcida de um sabor abominável. Mas eu realmente devia ter parado em “um monstro enorme pra mim”, quero uma cidade que me assuste, que esteja viva, que me surpreenda todos os dias, pessoas que saibam seus lugares, ou seja, de estranhos ou amigos, quero minha inocência de volta. Quero aquela criança balançando na rede colorida com o maior urso da prateleira ao lado, e um relógio que ganhou de presente dos pais que tanto ama. Cheguei até aqui e descobri que a quero de volta. É só isso.

3 comentários:

Irie disse...

ola mt bm!

The Sweet disse...

Sinceramente Googoo, eu me acho uma idiota por não ter te achado antes, tão próximo de mim e mesmo assim tão distante. Pra falar a verdade, eu venho te 'vigiando' já faz algum tempo mas a única coisa que encontrei em mim agora e que fez a diferença foi a coragem.
Você posta muito bem e isso realmente ninguém pode negar, mas do mesmo jeito, expressa seus sentimentos e emoções de uma forma irreal e muito corajosa, pois me diga você, qual outro homem, sendo ele quem fosse, o cargo que ocupasse ou as pessoas que estariam presente dentre seu círculo de relacionamentos, teria maior coragem de expressar o que sente no momento?
______________________
Sim, eu sei. A vida nem sempre é tão bela quanto parece mas pra tudo se exige força e dela, escolhas dificéis. Por exemplo, por que as pessoas das quais gostamos e das quais gostam da gente aparecem ao mesmo tempo mantendo-nos em situações nada favoráveis e muito menos confortáveis??
______________________
Todos queremos, nem que seja lá no fundo de nossa 'alma' e por mais 'realizados' que estivemos, todos queriam, querem e vão querer algum dia voltar a ser crianças, as inocentes e sem problemas, sem problemas dificéis de se resolver, mas que se tivessem, a ajuda dos pais[que após certa idade não se preocupam mais com os filhos] ajudaria e resolveria-os.
Enfim, o que venho fazer aqui é dizer-lhe pra não parar nunca de escrever, sua escritura me faz pensar, sonhar, realizar e voar perante a realidade de hoje em dia. Ler o que você sente, fala, ouve, quer e sonha permite-me pensar novamente em alguma esperança de que nem todos são meros 'mortais' realistas que não querem mais nada a não ser realização financeira, casar com uma máquina de fazer sexo[e filhos] e serem supostamente 'felizes'.
É bom saber que você existe realmente e que me faz ter forças, mesmo não sabendo quem eu sou, mas me faz ter forças pra continuar vivendo a minha vida incrédula e sem imaginação, da qual é tediosa sempre, sem exceções.
Obrigada Googoo. Você me faz sonhar e viver.
Continue escrevendo, eu estarei sempre lhe acompanhando.

Erick disse...

PERFEITO !

Finais são bençãos ambivalentes.