sábado, 22 de setembro de 2007

"É pau, é pedra, é toda alvenária..."

Todo dia conta um novo!
todo os dias olha o povo
a cidade
a roupagem do mundo
e não se importa
queria ele apenas alguem pra dividir a vida!
não pra se apoiar, tem gente que sabe como se bancar!
tem gente que precisa de muletas.
tem gente que sabe onde tá pisando e gente que pisa onde tá mais fácil.
apenas mais um louco
pra melhorar um pouco!
apenas mais um posto, pra abastacer e continuar a estrada
sem reparar nas casas e nos seres humanos!
só na magica natureza que rodeia
e se algém cheirando a flores ou terra ou andando sem rumo no meio da estrada lhe chamar a atenção, então...
_pra ondes vai?
_pra todo lugar e lugar nenhum!
_quer uma carona?
pra começar um mundo de andarilho vagabundo!
pra começar.

Sei muito bem o que quero, só estou me fazendo de sonso. Crueldade, besteira? Eu deveria me acostumar e mudar? Digam isso pra pessoa que realmente toma conta aqui, a gente se vê pouco, mas geralmente ela fica gritando eu quero isso e aquilo lá no fundo.
Ok, aqui está, lá vou, é pra já, mais alguma coisa, miss dayse?
Amor, liberdade, desejo, pessoas o que eu realmente quero, entrem lá e convençam a cabeça dura que é minha consciência, eu, por mim, faço todas as cagadas possíveis e imaginárias, sedo a todas possibilidades, não sei nem por onde começar. Pau pra qualquer obra mesmo. Depois é aguentar a realidade interior. E ela bate forte quando quer, vocês nem imaginam, velha maldita. Eu não vivo sem ela. Capaz até dela vivar sem mim.
Todos sabemos o que realmente somos, queremos e fazemos, só estamos nos fazendo de desentendidos.

Nenhum comentário:

Finais são bençãos ambivalentes.