domingo, 3 de julho de 2011

Missing

Ainda é uma vez um menino que está muito confuso, ele enfrentou tudo isso antes, a solidão, a insegurança, a pressão, o tempo, a decepção, a desilusão, agora porém ele enfrenta tudo isso de uma vez. Acontece que não sabe se a experiencia por ter enfrentado tudo separado o preparou pra não estar chorando como uma criança de novo, ou deprimido. Mas está muito confuso, quando alguém lhe elogia, e ele não sabe mais como reagir, na verdade não tem mais vontade de reagir a muitas coisas, arregala os olhos, foge de conversar, de cumprimentos (mais do que sempre), cria expressões que espera que os outros entendam sem precisar palavras, movimentos corporais, quando alguém faz referencia a sua beleza, parece mais um soco na boca do estomago, um insulto a sua integridade, pois se não é esse o problema, qual seria o problema de compatibilidade com as outras pessoas? Por que a solidão. Onde está o amor? Por que belo se só, por que só se belo? Por que só se inteligente? Por que só se interessante? Qual o grande prazer da humanidade em conhecer essa criatura e desejar tão avidamente somente a sua amizade? Problemas biológicos? Ele pensa. "Não devo exalar feromonios". Se não há mais o afeto que quer, decidiu não ser mais afetivo de forma alguma, não que isso dê muito trabalho, ele nunca foi assim, não lhe cobre afeto algum, melhor não ter, do que ter porta pra que ele passe da medida. Ele resolveu fazer filosofia, e agora busca mais do que nunca diretamente, claramente, materialmente e fenomenologicmente as causas dessa solidão, dessa incompatibilidade com os outros seres humanos, que não vem de sua parte, e sim dos outros. Ser capaz de dissertar sobre existencialismo, liberdade estética, liberdade individual em um grupo organizado, criticar movimentos de massa, defender seus propósitos culturais e comportamentais em estudos de ciencias socias, porém não consegue organizar os meios para chegar aos seus fins em um caso que envolve sentimento ao invés de empirismo.
Acha que poderia retirar os canais lacrimais, não os usa mais. Desenvolveu uma naúsea em que o gosto de vômito vem até a boca antes de que as lágrimas cheguem aos olhos. Se enjoa quando pensa em amor, sexo, fidelidade, paixão, consideração, moral e ética de toda forma.
Em resumo o mundo pra ele é uma grande solidão acompanhada, se você o conhece, não lhe peça mais do que ele pode dar. A não ser que você tenha mais a oferecer do que se possa esperar.
Eu já não o reconheço mais pois ele já não sabe mais o que querer. Ele anda pro ai perfeitamente altivo, mas nada o satisfaz, porque ele não tem desejo de algo que o faça mais, é como se ficasse horas e horas com o menu do restaurante da vida na mão e não quisesse nada. Vencer o seu orgulho pra confessar seus sentimentos só lhe machucou mais ainda, sem de nada adiantar, eu permaneço com ele pois sou tudo que ele tem.
Se você o encontrar não estranhe a falta de conversa, a falta de risos, ou o excesso sem motivo aparente, ele vive mais pra ele do que pra quem está do lado, sem excessão em segundo algum. Ele repele carinho, contato, interação, troca, palavras, gestos, TUDO!
Não sei mais o que fazer com ele.
Sei perfeitamente que ele não sabe mais o que fazer com o mundo.
Como um personagem de um livro de Sartre.

2 comentários:

Martins De'Áries disse...

Gustavo! Eu adorei esse texto, o tom de catarse!

Também confesso que já me senti assim!

Fantástio! a maneira como disse tudo isso!

Desiree Bueno Tibúrcio disse...

Também adorei o texto, muito bom... Sabe, é tão gostoso ler palavras tão bem colocadas, e que expressam não somente o que o autor sente, mas transmite isso para o leitor!
Gu, parabéns (:

http://lepetitkawai.blogspot.com/

Finais são bençãos ambivalentes.